quinta-feira, 30 de abril de 2015

domingo, 26 de abril de 2015

Liberdade é... exposição de trabalhos de 1 a 7 de maio



A partir de 1 de Maio, no Hotel das Termas ( Caldas das Taipas), o NE25A procede à inauguração da exposição "Liberdade é... 2015". Esta exposição representa o trabalho de mais de 250 jovens de vários agrupamentos de escolas, que aceitaram o desafio de reutilizarem caixas de sabonetes da TaipasTermal, reinventando-os de acordo com os ideais de Liberdade.
O resultado desta reinvenção, estará aberto ao público no horário que podes ver a seguir:

Se a tua turma, professor ou escola, quiserem visitar a exposição, avisa para contactarem o NE25A, para proceder à marcação.


sábado, 25 de abril de 2015

Vozes em Liberdade 2015

Image and video hosting by TinyPic

24 de Abril. 
Das 22.00h às 23.45h. 
Pavilhão Multiusos da ESCT.
Uma celebração de liberdade com o nosso espectáculo "Vozes em Liberdade". Com a participação da Academia de Artes Ritmos, a Academia de Musica Fernando Matos e o Grupo "Ad-Hoc", revivemos musicas de resistência, de liberdade, dos ideais restaurados com a Revolução dos Cravos.


A todos quantos tornaram possivel este exercicio de Liberdade, OBRIGADO!

O NE25A a celebrar Abril... na RUM


O NE25A vai estar hoje, pelas 15.15h, na Casa da Memória (Guimarães), num programa da RUM (Rádio Universitária do Minho), conduzido pelos jornalistas Pedro Andrade e Mafalda Oliveira. Entrevistas, reportagens, declamação de poesia e a música da revolução, e ainda antena aberta numa espécie de Tribuna Pública com as vozes da revolução em pleno 2015. 

Para acederes à emissão da RUM, segue o "link" (imagem).

Uma homenagem a Abril... por Júlio Borges



"Chovia copiosamente lá fora. O som incessante da chuva nas vidraças das janelas, nas carroçarias dos carros, nas poças de água que se iam formando na rua lamacenta.
            Não estava habituado àquela chuva miúda que pinga, pinga, certa e precisa, sem cheias, enxurradas e inundações.
            Não, não estava. Apesar de viver há vários anos na Europa, não se habituava à falta das monções, à falta do calor exasperante, dos períodos de seca.
Não se habituava, mas suportava, porque nada disso era suficientemente importante. A chuva que teimava em continuar a cair. A viagem realizada há anos, dura, longa, repleta de privações. A distância da família; mãe, pai, mulher e filhos, que, com o tempo, haviam percorrido e sofrido as mesmas privações, a mesma dureza, feito semelhante jornada. A falta de emprego, o frio, o rigor do inverno, os olhares desconfiados, o preconceito. Tudo era suportável comparado com a sua vida passada.
            A Europa era onde a sua liberdade vivia, era a sua fuga da opressão. Vivia agora no mundo civilizado, repleto de oportunidades, sem escravatura, sem medo, sem fome, sem morte nem terror.
            Ahmir, fugira de uma democracia tirana, onde o venerável líder, eleito pelo povo, depois de escolhido pelos seus ascendentes, reinava com a sua barriga e hipotálamo. Governava com mão de ferro, com regras de proveito próprio, com leis de dimensões tacanhas, opressoras, sufocantes, claustrofóbicas da identidade individual, para promoção de uma identidade coletiva controlada e acéfala.
            Ahmir sempre desejara fugir. Fugir e viver na civilização. Ser livre.
Finalmente conseguira.
Vivia agora, anos depois da sua partida, com seus pais, idosos e sem meios de subsistência senão o trabalho do filho.
Vivia agora com sua esposa e seus filhos, trabalhando ambos, dias sem fim, horas intermináveis, por um salário sugado, chupado por todos os organismos criados para o efeito.
Trabalhavam ambos, sacrificando-se, para suprir todas as necessidades dos seus ditadores de bolso, adolescentes (des)integrados duma sociedade plural, cada vez mais xenófoba, mais distante e tão próxima. De uma sociedade plural, evoluída, tecnológica e solitária.
            Era livre. Vivia agora repleto de bens de consumo efémeros, de caducidade célere.
Finalmente alcançara a civilização e a liberdade. Tinha a vida que sempre almejara. Vivia agora feliz, reduzido a uma existência eletrónica, digital e virtual, que inconscientemente pairava sobre a sua vida, na sua vida.
Uma existência controlada nas suas compras do hipermercado, nos programas visionados, nos telefonemas efetuados, nos sítios de internet pesquisados, nos likes clicados, nos instantâneos fotografados, nas short messages digitadas, nos tweets teclados, nos estados divulgados, nos consumos elétricos efetuados, nos bens adquiridos, nos pensamentos libertados, nas palavras ao vento digitadas, nas letras enterradas num ecrã.
            Ahmir sempre quisera fugir da tirania, opressão, terror e ditadura em que vivera.
            Ahmir vivia agora livre. Podia fazer o que lhe aprouvesse, dizer o que lhe apetecesse, ir onde desejasse, comprar o que a publicidade mandasse, ler o que o capitalismo planeasse, ver o que o poder mediático exibisse, pensar o que os cifrões, de lápis azul, entendessem.
            Ahmir vivia agora livre. Tinha a sua casa, num belo bairro, de lata forrado, de alpendre lamacento. À porta, um topo de gama, velho, ferrugento, importado.
            Ahmir vivia agora livre. Porque assim é a liberdade. Desejada por todos e alcançada por muitos. Todos a temos. Segundo os padrões de um Grande Irmão, que tudo controla, tudo vê.
            Ahmir detestava aquela chuva miúda. Mas nada disso importava. Era livre para viver e escolher, as escolhas e ideias dos outros."

Um original de Júlio Borges, membro do NE25A

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Sons de Abril...


Proposto pelo professor Júlio Borges (membro do NE25A), uma gravação rara de uma conversa mantida ao telefone por 2 censores do estado Novo.
Nada melhor para recordar o valor da liberdade e de Abril... a 2 dias de Abril!

Para ouvires a gravação, segue o "link" (imagem da prisão de Peniche)

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Ultima Hora... "Vozes em Liberdade"


Informamos todos os interessados que, por motivos de ordem climática, o espectáculo comemorativo do 25 de Abril "Vozes em Liberdade", se realiza no Pavilhão da Escola Secundária das Taipas.
Assim esperamos por si no dia 24 de Abril, pelas 22.00h, no pavilhão da escola secundária das Taipas.

terça-feira, 21 de abril de 2015

A não perder...


"Concertos, palestras, exposições, animação de rua e uma sessão solene evocativa do 41º aniversário do 25 de abril de 1974 fazem parte do alargado conjunto de iniciativas promovidas este ano pela Câmara Municipal de Guimarães. O programa de comemorações tem início esta quinta-feira, 23 de abril, pelas 18 horas, com a inauguração da exposição “O 25 de abril”, que ficará patente ao público na Casa da Memória até ao dia 01 de maio, numa organização do Centro Infantil e Cultural Popular (CICP), associação sediada no antigo Convento das Dominicas.

Na sexta-feira, na noite de 24 abril, pelas 22 horas, o Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor recebe o concerto “Sons da Liberdade”, um espetáculo com um coletivo de cantores e músicos de Guimarães que vão interpretar autores e temas de intervenção cultural e que conta também com a colaboração do Cineclube de Guimarães, com a exibição de fotografias e filmes da época, que acompanharão o concerto.

A iniciativa terá a participação da Banda da Sociedade Musical de Pevidém e de seis coros de Guimarães, nomeadamente, Orfeão de Guimarães, Grupo Coral de Azurém, Orfeão Coelima, Grupo Coral de Pevidém, Grupo Coral de Ponte e Coro Infantil da Escola de Música da Sociedade Musical de Pevidém. A entrada é de acesso livre, todavia, os bilhetes, dois por pessoa, terão de ser levantados a partir das 09:30 horas, no Palácio Vila Flor.

A sessão solene comemorativa do 25 de abril, abrilhantada pelo Coro Infantil e Juvenil da Escola de Música da Sociedade Musical de Pevidém, decorre no sábado, pelas 11 horas, com os deputados da Assembleia Municipal a reunirem-se na Plataforma das Artes e da Criatividade. De tarde, o centro da cidade é palco de um variado programa de eventos. Entre as 14:30 e as 16:30 horas, a Rádio Universitária do Minho (RUM) realiza uma emissão especial em Guimarães, a partir do Coreto da Alameda de São Dâmaso.

No espaço público, os grupos de teatro amador Jovidém, TERB e OsMusiké vão recriar performances sobre episódios e momentos relacionados com a ditadura. Às 17 horas, na Casa da Memória, com o apoio do Grupo DST e a colaboração da RUM, no âmbito da iniciativa “A Literatura e os Autores ao Vivo”, António Ferreira estará à conversa com o escritor Tiago Patrício sobre o seu mais recente livro “1975”.

O dia 25 de abril termina com um novo espetáculo no Centro Cultural Vila Flor. A partir das 22 horas, a criação artística “Tripla Personalidade”, de Alberto Fernandes, sobe ao palco do Pequeno Auditório, num concerto que explora três personalidades distintas, pertencentes ao mesmo ser, onde as novas tecnologias aplicadas às sonoridades convencionais criam um resultado inovador. A Academia de Artes Performativas (TOCA) e o Centro de Estudos Para as Artes Populares e Tradicionais (CEAPT) integram a produção deste concerto. A entrada é gratuita, mas será necessário proceder ao levantamento de bilhetes, dois por pessoa, durante o dia de sábado, na receção da Plataforma das Artes.


O programa de comemorações da Câmara Municipal de Guimarães continua no domingo e na segunda-feira. No dia 26 de abril, às 16 horas, Arnaldo Trindade, principal editor discográfico de José Afonso, estará na Casa da Memória para uma conversa sobre “A perspetiva editorial na resistência”, enquanto na noite de segunda-feira, 27 de abril, pelas 21:30 horas, realiza-se um debate no CAR – Círculo de Arte e Recreio, a partir do livro “Guimarães, Daqui Houve Resistência”, coordenado por César Machado. “As associações de Guimarães na Resistência à ditadura – o caso particular do Círculo de Arte e Recreio” é o tema da sessão."

fonte: Câmara Municipal de Guimarães

A não perder...




domingo, 19 de abril de 2015

"Livre com um Livro"... hoje, em Guimarães



Com a presença de várias dezenas de participantes, 21 jovens representantes das bibliotecas escolares dos agrupamentos de escolas de Briteiros, Mário Cardoso, Taipas, Afonso Henriques, Virginia Moura, Francisco de Holanda e secundária das Taipas, entoaram poemas representativos da Liberdade.
Este trabalho, encenado pelo Teatro do Ferro, será editado em livro digital pelo NE25A.

A todos quantos puderam estar presentes, os agradecimentos do Ne25A.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Homenagem a Mariano Gago

1948 - 2015

Para saberes mais sobre este ilustre português, segue o "link" (imagem)

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Concerto Pascal... Academia de Musica Fernando Matos


Exposição sobre a Primeira Guerra Mundial - Arquivo Municpal de Guimarães

" O Arquivo Municipal Alfredo Pimenta, em Guimarães, vai proceder à inauguração esta quinta-feira, 16 de abril, pelas 16 horas, de uma exposição evocativa da Primeira Guerra Mundial, que estará aberta ao público até ao dia 11 de novembro. Esta mostra é o primeiro de um conjunto de eventos que o Arquivo Municipal irá realizar no âmbito do centenário da Grande Guerra.

A exposição conta a forma como Guimarães vivenciou este período e recorda os soldados vimaranenses que partiram para a Guerra, o Regimento de Infantaria nº 20 (RI 20), além de evocar a história da Primeira Guerra Mundial, designadamente, os países participantes, as principais batalhas, a formação do corpo expedicionário português, a participação portuguesa na guerra, com referência à Batalha de La Lys, onde mais portugueses faleceram.

A mostra irá também contemplar um espaço onde será recriada uma trincheira na qual será exibida armamento. Além disso, estará patente um conjunto de objetos, como cadernetas militares, mapas, condecorações militares (medalhas), fotografias, bilhetes-postais, diários de guerra, pertencentes a soldados que participaram neste conflito e que foram recolhidos no âmbito da iniciativa intitulada “Uma imagem, uma história, uma memória”.

Estas peças, que os familiares de combatentes da Grande Guerra fizeram chegar ao Arquivo Municipal Alfredo Pimenta, ajudaram a construir a memória coletiva da participação portuguesa no confronto bélico. Com esta exposição, a Câmara Municipal de Guimarães pretende recordar e homenagear aqueles que partiram para este conflito e salvaguardar e preservar a memória da participação portuguesa na 1ª Guerra Mundial."

fonte: Arquivo Municipal Alfredo Pimenta


Os ideais de Abril... pela Ana Oliveira

Com base na análise da obra "Naziran - uma mulher sem rosto", de Celia Mercier, recebemos da professora Ana Cristina Pereira (EB 2/3 de Briteiros), o trabalho analítico feito pela Ana Oliveira (8ºC), para a disciplina de Português.

Aos envolvidos, o nosso agradecimento:


" Restrições à liberdade

       Se refletirmos sobre os ideais de abril e considerarmos que os atingimos, talvez estejamos a ser românticos. Aquilo que pensávamos ter alcançado como é o caso da liberdade de expressão, do discurso, do debate, o direito de ser ouvido, a verdadeira democracia… quase tudo tem sido restringido, e de forma dissimulada. Muitas pessoas não se apercebem desta situação.
      Agora que nos aproximamos de uma data que nunca deverá ser esquecida em Portugal, venho apresentar um caso que é extremo em relação à restrição da liberdade do ser humano.     
     Não é novidade a relação desta questão com a literatura. De facto, e apesar de se afigurar um tema algo incómodo, talvez porque a literatura coloca estas questões em angustiantes evidências, ao longo dos tempos este tem sido um tema recorrente, através de várias formas de expressão escrita.
     A reflexão que se segue surge na senda da leitura de um caso verídico que ocorreu num país onde a palavra democracia está longe de ser conhecida, nem sei se algum dia surgirá uma simples abordagem ao significado desta palavra.
     Naziran - uma mulher sem rosto é baseado numa história verídica e dá-nos a entender que algumas realidades que se pensavam ser do passado ainda continuam bem presentes. Naziran Abid nasceu em 1989 numa aldeia do sul do Punjab, no Paquistão. Aos 22 anos, foi uma das vítimas de um dos crimes mais cruéis praticados sobre as mulheres, os ataques com ácido.
     Com esta leitura percebi que nem todos os países têm liberdade e que neles as mulheres são vistas como o elo mais fraco da sociedade e por isso mesmo é que são vítimas de crimes demasiado cruéis.
      Muitas mulheres não têm a oportunidade de fazer escolhas em relação à sua própria vida e também não podem fazer opções para o futuro pois, segundo as leis do Paquistão, as mulheres apenas servem para cuidar dos filhos, da casa, das tarefas domésticas e serem “escravas” dos maridos que muitas vezes as maltratam, ou seja, elas não são livres nem usufruem de nenhum tipo de direitos.
   Ainda assim, algumas destas mulheres conseguem ser fortes o suficiente para os enfrentar e com isto terem uma vida digna, onde são respeitadas e onde possuem direitos e deveres como qualquer cidadão comum. Naziran, a protagonista do meu livro, foi um desses casos que mesmo depois de ter sido queimada pelo marido decidiu apresentar queixa contra ele, dizendo “Quero ser um modelo para as outras mulheres”. E com muita luta e garra conseguiu separar-se do marido fazendo com que este fosse punido e ficou com a guarda das filhas, que anteriormente lhe foram retiradas. Atualmente, esta mulher recebe o apoio da Acid Survivors Foundation (ASF), em Islamabad, com vista à sua recuperação e reintegração social. Esta fundação ajuda física, psicológica e juridicamente as vítimas dos ataques com ácido.
    Caros leitores! De certeza que conhecerão casos semelhantes, no entanto, nunca é demais partilharmos e refletirmos sobre estes assuntos e, principalmente, percebermos se não haverá forma de os irmos diminuindo. Penso que ler e dar a conhecer a nossa opinião, pode ser um princípio. "


                                   Ana Carolina Lopes Oliveira - 8º ano - turma C- Escola E.B. 2,3 de Briteiros

sábado, 11 de abril de 2015

Nova edição do... "Vozes em Liberdade"


O Núcleo de Estudos 25 de Abril – NE25A-, vai realizar, em parceria com a “Taipas Termal”, nova edição do espetáculo “Vozes em Liberdade – 2015”.
Este espetáculo, que realizamos desde 2010 sempre em parceria com a “Taipas Termal”, no espaço denominado “Banhos Velhos”, nas Caldas das Taipas, tem como grandes objetivos:
a) Comemorar os ideais de Liberdade e de Democracia, restaurados com o 25 de Abril de 1974;
b) Dar a conhecer o trabalho executado por crianças/jovens, nas mais diferentes áreas plásticas/artísticas.

É assim que nesta edição, contamos com a presença de jovens artistas representando a "Academia de Artes Ritmos", a "Academia de musica Fernando Matos" e o "Grupo de alunos/professores da ESCT".
O "Vozes em Liberdade" é na noite de 24 de Abril, iniciando-se pelas 22.00h, nos "Banhos Velhos" (Caldas das Taipas). 
A entrada é livre!

No caso de as condições meteorológicas serem adversas, o espetáculo realiza-se em local a divulgar oportunamente

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Feira Quinhentista... AE Francisco de Holanda - 10 de Abril

Para saberes mais sobre esta iniciativa, segue o "link" (imagem)

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Livre com um livro 2015... a 19 de Abril


O Núcleo de Estudos 25 de Abril, em colaboração com o serviço educativo do Centro Cultural Vila Flor (CCVF) e o Teatro do Ferro,  vai realizar, pelo segundo, a actividade “Livre com um Livro”.
Esta actividade, inserida no conjunto de propostas/realizações que levamos a cabo para ano lectivo de 2014/15, destina-se, mais uma vez, a dar a conhecer uma parte do trabalho que as Bibliotecas Escolares realizam com as crianças e jovens das diferentes comunidades. Atendendo ao facto de que a temática proposta para este ano pelo Plano Nacional da Leitura para a semana da leitura 2015 (Palavras do Mundo), se enquadra nas perspectivas abertas a 25 de Abril de 1974 quanto à liberdade de conhecer, de saber e de informar e de termos um país “aberto” ao Mundo, o NE25A convidou as Bibliotecas dos Agrupamento de Escolas de Briteiros, Taipas, Arqueólogo Mário Cardoso, Afonso Henriques, Francisco de Holanda, Virgínia Moura e Secundária das Taipas, para connosco falarem e pensarem a Liberdade.
Este espectáculo público de leituras encenadas, escolhidas pela equipa do NE25A e do Serviço Educativo do CCVF, realiza-se no próximo dia 19 de Abril, pelas 16.00h, na "Black Box" da PAC (Guimarães).

A entrada é livre ( de acordo com  capacidade da sala).

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Salgueiro Maia... 23 anos após


4 - 04 - 1992

Lembrar sempre Abril!

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Livre com um Livro... a produção



19 de Abril - Ainda tem duvidas em comparecer?


Homenagem a José da Silva Lopes

(1932 - 2015)

Para saberes mais sobre este eminente economista, segue o "link" (imagem)

Homenagem a Manoel de Oliveira


(1908 - 2015)

video

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Livre com um Livro... segunda fase de ensaios



Segundo grupo de ensaios para o "Livre com um Livro". Foi hoje na "Black Box" da PAC - Guimarães, com  a apresentação ao público a 19 de Abril (16.00h).


Livre com um Livro... os primeiros passos


Imagens dos primeiros ensaios (30 e 31 de Março), na "Black Box", da Plataforma das Artes (Guimarães), para a actividade "Livre com um Livro". Os ensaios, sob a batuta do "Teatro do Ferro", decorrem até ao dia 2 de Abril, sendo a apresentação do espetáculo no dia 19 de Abril (16.00h), no mesmo local