domingo, 29 de dezembro de 2013

As nossas propostas para 2014


“A argila fundamental de nossa obra é a juventude. Nela depositamos todas as nossas esperanças e a preparamos para receber idéias para moldar nosso futuro.” 
Ernesto Che Guevara 

“Aprenda com o ontem, viva o hoje, tenha esperança no amanhã. O importante é não parar de questionar.” 
Albert Einstein


 Um excelente 2014, são os votos do NE25A!

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Conto de Natal... um original de Julio Borges

"Martin, advogado conceituado, mas caído em desgraça após se ter despedido da firma, Antoinne e Griller, saíra de casa para a missa do galo. Não era católico, pelo menos achava que não.Tudo na sua vida rodava à sua volta. A sua arrogância e ambição não lhe concediam qualquer tempo para se lamentar, arrepender-se ou pensar no próximo.
A missa do galo servia apenas para zelar pelos seus interesses. Na catedral, era ponto de encontro da alta sociedade, e sempre bom local para contactos com possíveis futuros clientes.
Pelo caminho até ao metro foi abalroado por um miúdo, sujo, esfarrapado, com aspeto miserável.
- Pardon, meu senhor. - Disse o rapaz.
- Vê por onde andas! Para a próxima tem mais cuidado. –Reprendeu-o Martin. Não sabia porquê, mas instintivamente levou a mão ao sobretudo de caxemira, comprado num dos melhores alfaiates da capital.
- Maldito, roubou-me o telemóvel! - Grita chocado e cheio de raiva. O telemóvel era a sua agenda, onde tinha todos os seus contactos.
Martin, corre atrás do rapaz. Persegue-o até uma zona da cidade que não conhecia, apesar de não distar mais de algumas centenas de metros do seu confortável loft na RueCassette. Era a primeira vez que entrava naquele parque, no Jardin de Luxembourg.
Rogou pragas àquele miúdo, à sua sorte, à sua decisão de dispensar Michele, a sua motorista, com a qual toda e qualquer intimidadeseria impossível devido ao seu estatuto social.
Nunca gostara do Natal, nunca abdicara das suas regalias para os outros poderem desfrutar desta época, e na primeira vez que o fizera, tinha sido roubado. Embrenhado nos seus pensamentos, nos queixumes de um privilegiado, de repente estaca. A imagem com que se deparou contrastava com o cenário luminoso, organizado, financeiramente confortável, a que estava habituado. A medo, Martin avança.
Amontoados, vários excluídos tentavam aquecer-se junto a bidões fumegantes. Junto deles, alguns jovens, outsiders por vontade própria; dependentes, rapazes e meninas tristes, que apagam as suas mágoas na dose seguinte, precisando de se vender para as compras diárias; e grupos de voluntários celebravam a quadra natalícia, como se os seus problemas se resolvessem com uma sanduiche, uma fatia de bolo e um chocolate quente.
Ali, ele é que se sentia excluído. Todos conversavam animadamente, apesar de muitos deles não parecerem ter forças para se sustentar de pé.
Assombrado pelos preconceitos da sociedade visceral a que pertence, onde as aparências são um cartão-de-visita ou de livre-trânsito, Martin vai observando toda aquela gente indiferente à sua presença, ao seu belo e confortável casaco de caxemira, comprado no melhor alfaiate da capital, indiferentes ao seu estatuto de célebre advogado.
O rapaz, antes, o ladrão, encontrava-se encostado a um canto, junto a uma barraca improvisada com algumas tábuas e um plástico velho e rasgado. Na sua mão, o telemóvel roubado, é utilizado para iluminar algo ou alguém.
- Estás aí sem grande ladrão, tu vais ver o que te espera. – Grita Martin.
O homem, saudável em todo o seu ser, de corpo tonificado pelo ginásio, dietas e mais uma ou outra coisa ingerida, pois a sociedade exige que assim seja, alcança o rapazito e começa a bater-lhe com toda a sua força e raiva. Pela ousadia de o roubar, por o obrigar a correr no seu belo casaco de caxemira, no seu fantástico fato Armani, por o obrigar a confrontar-se com aquela miserável imagem, que nada tinha a ver com o seu mundo, que nada tinha a ver consigo. O rapaz não teria mais de sete ou oito anos. Martin abranda na sua ira, e após desferir quatro ou cinco murros naquela indefesa criança e se prepara para apanhar o telemóvel do chão, o célebre advogado, com um belo e confortável casaco de caxemira, comprado no melhor alfaiate de Paris, vê uma mulher, indigente, macérrima, abandonada, esquecida pela vida, a qual amamenta um bebé, recém-nascido.
O bebé era tão fresco neste mundo, que o cordão umbilical ainda se encontrava dependurado na sua pequena e ensanguentada barriguita. O telemóvel não iluminava nada nem ninguém. O telemóvel roubado servia para distrair a criança, uma música que Martin reconheceu como “Ave Maria” de Shubert, o seu toque selecionado, embalavam o rebento. 
            Martin, olha em seu redor, todos o olhavam com desprezo e indignação. A ele, tão célebre, tão importante na sua própria vaidade, centro da atenção de indigentes, vadios, drogados, prostitutos e prostitutas. Ele tão magnânimo, tão senhor da sua própria posição na sociedade, ser repreendido com o olhar por vagabundos!
E eis que, Martin Dubois, célebre advogado, com um belo e confortável casaco de caxemira, comprado no melhor alfaiate de Paris, se ajoelha e chora. Chora pela sua insignificância, pela sua ignorância, pelo desprezo e vergonha que sente de si próprio.
De um pulo, levanta-se, abraça aquela criança, e chora, chora, até libertar todas as suas mágoas e frustrações. De seguida chama uma ambulância levando o recém-nascido e sua mãe para o hospital. E pela primeira vez desde que se recorda de ser gente, Martin pensa nos outros.
Enquanto mãe e filhos recuperam das noites frias, dos dias em jejum, dos socos recebidos de outros tantos Martin que em Paris se cruzaram com eles, o célebre advogado, com um belo e confortável casaco de caxemira, comprado no melhor alfaiate de Paris, compra brinquedos e bugigangas, roupas e roupinhas, deixando-as nos respetivos quartos enquanto os seus ocupantes dormem.
Quanto ao célebre advogado, entra no metro, dirigindo-se à Esplanade de La Défense. Toca à campainha das águas furtadas. Espera alguns segundos, ouvindo-se uma voz à janela:
- Oui, bonjour, quem é?

- Michele, abre sou o Martin. Feliz Natal."

Júlio Borges

domingo, 22 de dezembro de 2013

Feliz Natal!


"Percorro o dia, que esmorece
Nas ruas cheias de rumor;
Minha alma vã desaparece
Na muita pressa e pouco amor.
Hoje é Natal. Comprei um anjo,
Dos que anunciam no jornal;
Mas houve um etéreo desarranjo
E o efeito em casa saiu mal.
Valeu-me um príncipe esfarrapado
A quem dão coroas no meio disto,
Um moço doente, desanimado…
Só esse pobre me pareceu Cristo."

Natal chique, Vitorino Nemésio

Votos de um santo Natal, são os votos do NE25A

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Projeto Liberdade de Expressão e Redes Sociais... 3º lugar para a EB 2/3 Afonso Henriques

No âmbito do projeto lançado pela SIC Esperança com a Rede de Bibliotecas Escolares intitulado “Liberdade de Expressão e Redes Sociais”, informamos todos aqueles que nos seguem da atribuição do 3º prémio à turma D, do 9º ano da EB 2/3 Afonso Henriques (Guimarães). O filme feito por estes jovens com apoio e coordenação das professoras Ema Nunes (professora bibliotecária), Daniela Nunes (EMRC), Fátima Xavier ( EV), Nuno MataArmanda Gomes (História e Educação para a Cidadania), reflete a grande preocupação para com os efeitos perversos das redes sociais ( de salientar o apoio da Rádio Fundação a este trabalho).


A todos os envolvidos e em especial aos alunos da turma D, do 9º ano, da EB 2/3 Afonso Henriques, o NE25A envia os maiores parabéns por mais um exemplo de Cidadania nas Escolas Púbicas.

Com a devida autorização dos coordenadores do trabalho, deixamos aqui, em primeira mão, o trabalho destes jovens.

video

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Leituras em dia com... Não há mapa cor de rosa!

De José Medeiros Ferreira, editado pela "Edições 70", aconselhamos a leitura e análise de " Não há mapa cor de rosa - A História (Mal)Dita da Integração Europeia". 
O trajeto percorrido até à união dos nossos dias num  processo, segundo o autor, cheio de controvérsias e polémicas, que se torna necessário articular com a da integração europeia de Portugal. A par desta articulação, a discussão sobre  o alargamento a Leste e as consequências da crise financeira, potenciadora do alargamento do fosso entre o Norte e o Sul.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Concurso "Liberdade é... cria o teu mural".


Inscrições até 31 de Janeiro de 2014
Descarrega a ficha de inscrição e regulamento, na coluna "NOVIDADES" ( lado direito) 

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Homenagem a Nadir Afonso


Faleceu hoje em Cascais, com 93 anos, o  artista plástico Nadir Afonso
Natural de Chaves, licenciou-se em arquitectura na Escola Superior de Belas Artes do Porto e trabalhou com nomes famosos como o Le Corbusier e Oscar Niemeyer, tendo posteriormente "abandonado" a arquitectura pela pintura. Prémio Nacional de Pintura em 1967,  recebe em 1969  o Prémio Amadeo de Sousa-Cardoso, tendo sido condecorado com o grau de Oficial (1984) e de Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada (2010). Na sua ultima entrevista dizia que  continuava a desenhar e a pintar "A fazer o que sei...", apesar da mão que já me trava a mancha e não obedece muitas vezes à cabeça. Mas é a vida...".

Para saberes mais sobre este grande português, segue o "link" (imagem)

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

10 de Dezembro de 1948... Declaração Universal dos Direitos Humanos

"Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo;
Considerando que o desconhecimento e o desprezo dos direitos do homem conduziram a actos de barbárie que revoltam a consciência da Humanidade e que o advento de um mundo em que os seres humanos sejam livres de falar e de crer, libertos do terror e da miséria, foi proclamado como a mais alta inspiração do homem;
Considerando que é essencial a protecção dos direitos do homem através de um regime de direito, para que o homem não seja compelido, em supremo recurso, à revolta contra a tirania e a opressão;
Considerando que é essencial encorajar o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações;
Considerando que, na Carta, os povos das Nações Unidas proclamam, de novo, a sua fé nos direitos fundamentais do homem, na dignidade e no valor da pessoa humana, na igualdade de direitos dos homens e das mulheres e se declararam resolvidos a favorecer o progresso social e a instaurar melhores condições de vida dentro de uma liberdade mais ampla;
Considerando que os Estados membros se comprometeram a promover, em cooperação com a Organização das Nações Unidas, o respeito universal e efectivo dos direitos do homem e das liberdades fundamentais;..." 
(preâmbulo da Carta Internacional dos Direitos Humanos Adoptada e proclamada pela Assembleia Geral na sua Resolução 217A (III) de 10 de Dezembro de 1948)




Um exemplo de comemoração da Declaração dos Direitos Humanos é a actividade promovida pela Biblioteca Escolar e do  departamento de CSH, do AEBriteiros: 5 Dias, 5 Filmes, em celebração dos direitos humanos, da solidariedade, da igualdade, da tolerância, da liberdade e da solidariedade.

sábado, 7 de dezembro de 2013

Nelson Mandela... 1918 - 2013

video

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Adeus Madiba!


NELSON MANDELA 
(1918 - 2013)

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Opinião... A qualidade da Escola Pública ( para quem é de fora!)

O "Opinião", é um  espaço de divulgação de textos que mostrem a liberdade nas suas diferentes matizes. Este espaço é da responsabilidade dos autores de cada texto, estando o NE25A aberto à publicação de textos que nos queiram enviar (obedecendo às regras de uma cidadania responsável e democrática).


O de hoje é da responsabilidade de Amadeu Faria, professor de História, do Agrupamento de Escolas de Briteiros.

"Sinceramente, é de ficar pasmado! Como profissional da educação e do ensino na e da escola pública, habituei-me a conviver com um pouco de tudo: com as dificuldades de quem ensina, com as virtudes de quem aprende, com a legislação sufocante e errática, com a necessidade de todas as equipas ministeriais "ficarem" para a posteridade, com a hipocrisia de muitos dos integrantes de todos os partidos políticos. Desde há 3 anos a esta parte e com o bombardeamento constante a que todos somos sujeitos que nos quer fazer crer que a Escola Pública é gastadora, incompetente e baixa qualidade, resolvi fazer um "reset": a partir daí, só tomaria em conta dados concretos feitos por entidades independentes, que aferissem da qualidade, ou falta dela, da Escola Pública. Há 1 ano fiquei pasmado: ouvi a professora Ariana Cosme  no seminário "Cidadanias", desmistificar, destruir e implodir ( palavra tão ao gosto de alguns ministeriáveis), as mistificações que se constroem acerca da Escola Pública. Esta destruição maciça feita pela Ariana Cosme, baseou-se num conjunto de dados concretos, matemáticos ou aritméticos, vindos de estudos tão insuspeitos como o "PIRLS", o "TIMSS" ou o "PISA 2009", que mostraram a todos aqueles que a ouviram, a manifesta "má-fé" de quem quer passar a mensagem da inutilidade da Escola Pública (a não ser para promover a assistencialidade dos que não puderem frequentar os tão proclamados "tops" da educação) -aproveito para aconselhar a noticia publicada neste blogue a 22 de abril de 2013.

Se a Ariana Cosme me esclareceu e se estes dados não são segredo para ninguém ( tendo até sido utilizados em artigos na comunicação social), porque fico então pasmado?
O quadro seguinte esclarece (fonte: jornal Público do dia 3 de novembro de 2013)


Segundo o "PISA 2012", fomos só o país que mais diminuiu o "hiato"entre alunos piores e melhores ( mesmo com 20% dos alunos avaliados correspondendo a grupos desfavorecidos); em 2012,alcançamos países como o Luxemburgo, os Estados Unidos, a República Checa, a França, a Suécia, a Hungria, a Espanha, a Islândia e a Noruega (estávamos atrás em 2003); conseguimos ser um dos países que mais reduziu o número de  alunos que se saem muito mal neste tipo de testes de literacia e aumentamos o número dos jovens que se destacam muito pelo positiva (chamam-lhes os "Top performers").
Assim, peço: deixem-se de "tretas", digam o que pretendem e auscultem verdadeiramente os portugueses. Se não quiserem fazer isto peço-vos, com uma certa ironia: "deixem-nos trabalhar!"

Amadeu Faria, professor de História, QA do Agrupamento de Briteiros



Portugal em 33º no Índice de Perceção da Corrupção



Para refletir:

"Portugal manteve, em 2013, o 33.º lugar no Índice de Perceção da Corrupção da organização Transparência Internacional, mas perdeu pontuação numa lista que este ano inclui mais um país do que em 2012.
No "ranking" divulgado esta terça-feira, Portugal apresenta uma classificação de 62 pontos (63 no ano passado), numa escala de zero a cem, que vai de muito corrupto (zero) a livre de corrupção (100).
Na mesma posição de Portugal encontram-se Porto Rico e São Vicente e Granadinas.
Mais de dois terços dos 177 países incluídos no "ranking" obtiveram uma pontuação inferior a 50, assinala a Transparência Internacional.
Numa análise aos países da União Europeia (UE), Portugal surge este ano em 14.º lugar (15.º, no ano passado), acima da Polónia, Espanha, Itália, Grécia e da maioria dos países de leste.
O conjunto dos países da UE e Europa Ocidental é liderada pela Dinamarca (91 pontos em 100 possíveis), seguindo-se a Finlândia e a Suécia (com 89 pontos), enquanto o último lugar é ocupado pela Grécia (40 pontos).
O índice revela ainda que 23% dos 32 países da União Europeia e da Europa Ocidental, obtiveram pontuação abaixo de 50.
Entre os 177 países classificados, a Dinamarca e a Nova Zelândia ocupam o 1.º lugar, com 91 pontos, enquanto a Somália, o Afeganistão e a Coreia do Norte são os piores da lista com apenas oito pontos, em cem possíveis. Dos países incluídos na lista, dois não forneceram informação.
O Índice de Perceção da Corrupção é composto por índices de corrupção de entidades internacionais consideradas credíveis, como o Banco Mundial." (fonte - Jornal de Noticias)

Para saberes mais sobre a Associação Cívica " Transparência e Integridade", segue o "link" (imagem), ou vai à coluna de favoritos

domingo, 1 de dezembro de 2013

1º de Dezembro... de 1640 a 2013

O dia da Restauração da Independência comemora-se hoje, pela primeira vez desde que deixou de ser feriado, com a aprovação do novo Código do Trabalho (11/05/2012), que procedeu à eliminação deste feriado em conjunto com o feriado da Implantação da República (5 de Outubro) e os feriados religiosos de Corpo de Deus (60 dias após a Páscoa) e do Dia de Todos os Santos (1 de novembro).

Propomos-te, para assinalarmos a data, a consulta de dois "sites": no primeiro (link na imagem acima de M.Gustavo), poderás a ficar a saber o mais importante sobre a Restauração da Independência de Portugal a 1 de Dezembro de 1640;

no segundo (link na imagem abaixo), verificarás que há portugueses que propõem a manutenção deste que consideram ser a mais importante das datas da nossa Nação.